Início » Notícias » Especial » Jogador e educador social dá aulas para jovem portadora de Síndrome de Down

Jogador e educador social dá aulas para jovem portadora de Síndrome de Down

Lucas Oliveira Bicudo / ClicSoledade
Lucas Oliveira Bicudo / ClicSoledade

Desde que retornou da China, Ângelo Márcio da Silva tem dedicado parte do seu tempo para dar aulas a Nathália Muniz Telles, que é portadora de Síndrome de Down. Duas vezes por semana, eles se encontram no complexo esportivo que fica aos fundos do ginásio do Zecão, onde praticam diferentes atividades físicas.

Há dois meses de volta ao Brasil, ele comenta que já realizava este tipo de trabalho em Hong Kong. “Eu dava aulas para ONGs, onde atendia tanto crianças especiais como dependentes químicos. Como decidi que ia ficar por aqui, quis continuar trabalhando com isso e fui procurado pelos pais da Natália, que são meus conhecidos”, comenta.

 

Ele conta que sua aluna é muito dedicada, faz todos os exercícios corretamente. “Apesar de algumas limitações, percebemos sua força de vontade, presta atenção nas orientações, executa corretamente e é persistente, inclusive serve de exemplo para muitos. Ela faz as atividades como qualquer pessoa e é perceptível sua aptidão para o esporte”, avalia.

Natália, que tem 25 anos, já concluiu o Ensino Médio e diz que seu sonho é ser massagista. “Eu gosto muito de praticar atividade física, principalmente de jogar basquete. Com o professor Márcio eu faço polichinelo, alongamento, abdominais, ginástica, jogo bola, e quando estou em casa, também gosto de dançar”, revela.

Ela diz que se sente feliz e quer ser exemplo para outras pessoas que possuem Síndrome de Down para que também se exercitem. “Sempre fui incentivada pelos meus pais Ronei Borges Telles e Daniela Muniz Telles”, salienta Nathália, que também tem outros três irmãos: Wilker, Vitor Rafael e o Enzo Joaquim.

Márcio afirma que com incentivo de sua noiva Cassiane França, vai colocar em prática o projeto Craque do Amanhã, onde o objetivo é atender crianças em idade escolar e que estejam em vulnerabilidade social. “Meu intuito é apresentar o esporte a eles, tirando das ruas e que possam, quem sabe, no futuro, serem grandes atletas”, assinala.

Para colocar esta ideia em prática, ele vai contar com trabalho de uma equipe multidisciplinar. Além dele, terá a colaboração do educador físico Matheus Moraes, que vai trabalhar o treinamento físico tanto na academia como o funcional, e de Evaldino Emerson Landin, que é Conselheiro Tutelar, e vai acompanhar o trabalho. Ângelo Márcio da Silva é jogador profissional desde os 16 anos, onde passou por diferentes clubes do Brasil e por 5 anos e meio esteve na China trabalhando como professor e educador social.